quarta-feira, 3 de março de 2010

Tenho disposição 'pro' mal e 'pro' bem.


Criticamos e idolatramos a televisão o tempo todo, cada um do seu modo e maneira de agir e pensar.
Sabemos da força que a mídia televisiva tem na vida das pessoas.
Exemplo, em pleno ano de eleições a presidente o BBB10 batendo recordes de votação em paredões.E ainda pro cima ganhando cada vez mais espaço na mídia.Perceba que muitos que votam lá não devem nem saber quais são os candidatos a presidência e ainda podem pensar em votar no Lula por via das dúvidas.--'
Nos E.U.A. tudo tem que virar 'cinema', um deslize de alguma celebridade vai parar nos jornais e capas de revista.Exatamente como fizeram com a garota do micro vestido rosa que hoje virou celebridade --'

Enfim...lá eles conseguem com super produções nos encantar e fazer fechar os olhos para a nossa própria cultura, os programas dele a língua dele os costumes dele entram na nossa casa muitas vezes guiam nossas vidas.
Vejo muitos blogs por ai com nome em inglês e até mesmo posts em inglês, nada contra (só fico meio assim se for nome mas gosto é gosto) mas passamos a ser o que eles idealizaram para nós.
O ponto é que no mundo ocidental a televisão tem uma força imensa que muitas vezes quem detém esse poder joga isso fora só para manipular e ganhar dinheiro.Digo isso pelos programas americanizados, pelos programas de fofoca e que expõe a vida dos outros.São tantas formas de se perceber que tem muita cosia boa sendo jogada fora que para mim a solução seria controlar os exageros.O suposto bigode da Angélica não deve ser mais importante que os terremotos no Chile.A sexualidade da Lady Gaga não deveria ter mais atenções do que o tsunami que está vindo já pelo Japão.Aqui temos mais liberdade para falar e jogamos isso fora falando, na maioria das vezes, por bobagens.

Nesse mundo de supérfluos e exageros, quem mais sofre somos nós que somos subestimados com uma programação dessa.


Agora se imagine no outro lado da moeda, do mundo.
Se imagine no lado daqueles que não podiam e ainda não podem falar sobre muita coisa, vivem sob pressão de uma sociedade que sempre espera muito das pessoas, de uma forma extremista.E ainda tem que lidar com o preconceito do outro mundo que nem se quer tenta entender um pouco da realidade deles.Exatamente.Esse é o lado oriental da história, puxando mais para o Oriente Médio.
Ontem assisti a um documentário sobre quatro mulheres que me inspiraram muito, mulheres essas que apresentam um programa num canal Árabe de forte audiência, e hoje está entre os 10 mais assistidos da Tv Árabe.
Essas mulheres tem nacionalidades diferentes uma é egípcia, outra libanesa,outra árabe-saudita e uma
palestina.Além de darem voz a assunto que não podem ser ditos mas deve ser falado, elas ainda mostram que mesmo com nacionalidades diferentes conseguem compartilhar um mesmo palco e realidades muito parecidas entre elas e qualquer mulher do mundo.
O único assunto que fica realmente vetado é política, essa liberdade elas ainda não conseguiram.
Mas com um passo de cada vez elas vão trilhando um caminho de libertação e opções.Caminho esse que está mudando aos poucos a vida daquelas pessoas.
Parece tão diferente da nossa realidade
?
Quando assisti ao programa percebi que a revolta, a indignação fazem com que as pessoas queiram falar, queiram encarar os fatos de uma séria realidade e não esconder tudo atrás de '
besteróis'.
E percebi o quanto aqueles debates e conversas despertavam os muçulmanos para ideias novas e o quanto o extremismo se contradiz, fazendo as pessoas de bobos.As mulheres, principalmente, tem buscado mais independência no modo de pensar e agir sem esquecer as raízes.Quanto as tradições algumas perdem a força pois das quatro apresentadores apenas uma ainda usa o véu, mas apenas para cobrir os cabelos e isso não a faz mais muçulmana só a faz menos tradicional.
Essa mesma apresentadora diz que as mulheres muçulmanas não são mais como nós ocidentais ainda achamos que são, ela comentou que a realidade está boa, melhor do que antes, mas é claro que ainda tem o que melhorar.
Num cenário como esse a importância da conversa está voltando, e a força que a
mídia tem está mudando muito e pra melhor a vida das pessoas.Mas não é só de incentivos que elas são motivadas, também recebem muitas cartas com desaforos e agressões mas isso só mostra que precisam continuar, pois tem muitas vozes que precisam ser ouvidas e ditas através delas.

Que a
mídia tem uma forte influencia no mundo e na vida é fácil notar.Mas será que agora somos capazes de perceber de verdade a diferença das intenções?
Essa força que aqui podia ser para entreter de forma construtiva e informar sem manipular fica presa a uma forma medíocre de comunicação.Enquanto lá que não tem muitas opções de entreter e informar consegue usar essa força para abrir
a mente das pessoas e ir aos poucos mudando a realidade muçulmana.

Eu por aqui continuarei a
selecionar e observar.Sei que não se vive só de seriedade mas focar no vazio , também, não dá.Espero que exemplos como esses se espalhem por aqui ao invés de refletirmos só as baboseiras estrangeiras.E se causar indecisão no que assistir ou não, desligue a Tv e vá ler um livro...ou escrever...


Ps.:Desculpem o tamanho mas não contive as palavras.=X
Ps¹.:O programa muçulmano se chama:Kalam Nawaem(Conversa de mulher, conversa Doce).E o Documentário se chama: As rainhas da Tv Árabe, passou na GNT.
Ps².: Título tirando da música Capitulo4, versículo3-Racionais Mc's
Ps³.:Alguns detalhes peguei aqui.

5 comentários:

  1. Olha, eu acho o BBB uma futilidade. Porque todos os participantes já tem dinheiro, exceto Dourado e Dicésar, que são merecedores do prêmio. E ainda tem outros poréns, já que a televisão brasileira já notou que o Brasil gosta de assistir futilidades.
    Desculpa o desabafo :*

    ResponderExcluir
  2. Bom, sou jornalista e trabalho na TV.
    Concordo que a mídia tem poder... mas não chega a ser 'o 4 poder', como diziam antes.
    As pessoas são manipuladas ora ou outra sim... A edição de vídeo muitas vezes é cruel...
    Contudo, é preciso levar em conta o nível de escolaridade das pessoas e também ter em mente que o público está, cada vez mais exigente, seletivo...

    Os programas de entretenimento sempre tiveram grandes recordes na TV.

    Depois de um dia exaustivo, cheio de problemas, as pessoas precisam idealizar, vivenciar situações alheias... mas muitas vezes, o que realmente lhes acrescentaria culturalmente, em termos de informações - COMO JORNAIS - não têm a mesma relevância ao espectador quanto um 'BBB', por exemplo...

    Gostei do post... muito.

    Bjinhos.

    ResponderExcluir
  3. Concordo com a Vitória, hoje em dia só da ibop oque é futilidade, o BBB é o exemplo real disso. Enfim gostei mt do seu post :)

    beijos!

    ResponderExcluir
  4. Não deixarei mais de vir aqui. ;)

    Pô, muito grande o texto. rsrs
    Mas o curioso é que, eu sabia que era grande, ams tava empolgdão lendo ontem. rsrs
    Só que me interromperam rs

    Mas enfim, terminei de ler agora ;)
    E olha que eu comecei cedo. rsrs
    Brinks migs.

    E pô... Fodinha? você?
    Inha só se for pelo tamanho.

    ResponderExcluir
  5. Acho que achar uma determinada coisa é futilidade vem do pensamento de cada um. Eu asssisto BBB então vou defender o meu ponto de vista, certo pessoas a cima? Eu acho que é idiotice minha torcer por alguém que vai ganhar mais dinheiro do que já tem, sim! Mas isso não quer dizer nada dude, eu gosto, é divertido de ver e ponto. Alias, viver só focado nas coisas sérias, assuntos interessantes que são para refletir, que são apenas realidade do mundo pessimo em que vivemos, deixamos de aproveitar o lado bom da vida, a parte que é pra ser divertido. Nem tudo é focado no politicamente correto e no útil. Enfim ;x Amei o texto, acho que esse programa Arabe deve ser muito interessante :D xx

    ResponderExcluir

Vai, deixe sua pegada por aqui.;)