quinta-feira, 10 de novembro de 2016

O cabelo dançante

Meu cabelo dançava em seu rosto. 

Enquanto um silêncio apaixonante
e apaixonado nos inundava,
nossos sorrisos não se seguravam, 
nossos olhos não se desgrudavam
e meu cabelo dançava em teu rosto.

Você se desconcentra e bruscamente faz movimento.
“Que houve?”-digo.
"Nada, é que tinha um cabelo seu
dançando no meu rosto.”

Já era poesia antes de ser.

Quebrou o clima, o romance virou cotidiano.
O sorriso, riso.
E o amor virou mais amor.

Tudo por causa de um cabelo dançante,
Que se soltou, talvez, em tamanha liberdade
de querer te amar ainda mais de perto.
Talvez, fosse o calor e essa troca incansável dos fios.
Talvez eu fique careca.

Mas, o cabelo que dança na atmosfera do amor,
vira bailarino do tempo.
O vento, maestro e os corpos, palco.
O enredo é apaixonante, não duvidem.
O cabelo dançante, desgarrado e livre,
tem um espetáculo único, curto e espontâneo
de leveza e descontração.

Sempre bem-vindo na Companhia do Amor.

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Precisamos falar sobre fé

             É engraçado como não temos noção do alcance de nossas palavras. Digo isso em quantidade e intensidade. Hoje em dia, vejo que falar sobre sua fé e seu valores mais preciosos é como abrir o mar vermelho praticamente “anti natural”, haja força para dominar o poder da natureza, como fez Moisés. É mais fácil falar “Fora Temer” ou “A culpa é do PT”, mesmo que de baixo da terra nada disso importe. Sobre os valores, não me refiro aqui a moral dos “bons costumes, da família tradicional brasileira”. Eu me refiro àquilo que sustenta tua alma com leveza e alegria. Falo dos valores que te permitem tomar uma decisão e dormir de consciência verdadeiramente tranquila, sem precisar final do ano fazer aquela “caridade” para garantir a vaga no céu.
          Ainda que, claro, erremos e nos decepcionemos com as consequências, são os valores que nos dão a paz de saber que fizemos o melhor e podemos tentar de novo, sempre buscando acertar. Repito aqui que não temos noção do alcance de nossas palavras e para aqueles que acreditam em Deus , ou melhor, tomam consciência da força divina- seja lá qual nome que dêem. Sua palavra, então, tem ainda mais poder e alcance. Aqui não falo de Bíblia meramente, até porque conheço bem pouco dela e algumas coisas ainda não me descem. Mas, fico encantada como a “palavra de Deus” se manifesta através de devotos sinceros, por exemplo, de religiões cristãs e me remetem a verdades dentro do meu coração que tem pouca intimidade com Jesus. E essas verdades tocadas no nosso interior não são a “verdade da supremacia de Cristo”, mas a verdade de que Deus fala a QUALQUER UM e em qualquer cultura, em qualquer língua. Como somos muitos e diferentes, precisamos de muitas maneiras de ver, sentir e conceber Deus.
         O que quero ressaltar aqui é como pessoas evangélicas/católicas impregnadas da força e do amor de Deus, do amor Universal, podem falar aos meus ouvidos pouco conhecedores de seus conhecimentos religiosos e me levar lá pro meu terreiro e pelas experiências que tenho cotidianamente com Deus, com os orixás e com todos os irmãos que encontro pelo caminho. E isso é fascinante, pois mesmo muitos desses devotos estarem acreditando falar de um Deus e de um culto específico, na verdade, quando imbuídos de Deus ou como muitos falam “tomados pelo Espírito Santo”, falam a todos nós. Isso por que não é a religião que fala sempre! Deus tem suas maneiras de chegar até nós e passe sua mensagem! Preciso lembrar que homem não tem mais poder que Deus, só perante nossos olhos e questões mundanas, mas aí vem um “desastre natural” e muda tudo. T U D O. Aonde quero chegar com tudo isso? Quando a Verdade se manifesta ela pode ser entendida como Deus, Olorun, Alah, Jah, Gurudeva, força da natureza e outras infinidades de nomenclaturas. Mas quando Ela se manifesta não tem coração adormecido o bastante que não desperte minimamente. E às vezes pensamos que estamos falando do nosso testemunho e do nosso Deus, quando na verdade estamos falando de uma experiência íntima e pessoal que pode tocar a experiência íntima vivida por cada um de uma forma diferente.
       E com isso não quero dizer que todas as religiões são iguais, longe de mim afirmar tal ingenuidade. Quero atentar para algo que é para além delas e muitas vezes se apresenta apesar delas. Vi um vídeo de uma menina, hoje convertida, aparentemente famosa da internet dando testemunho e falando que o que ela conqusitou na internet, hoje entende que não é para falar de coisas vazias. Mas dizia que a proposta era maior, era de levar a mensagem de que cada um tem algo maior para ser vivido e que não cabe no nosso cotidiano mundano e uma fonte de vida incessável, que para ela se reduz a Jesus. Mas, que eu só conseguia pensar em como Deus é pleno em todas as suas formas e que as pessoas precisam saber disso e parar de se culpar por suas falhas ou se sentirem sujas, por mais que muitas religiões ainda preguem essas doutrinas de controle. Muito menos devemos ter vergonha de nossa crença ou de nossos valores, por mais que a sociedade diga ser antiquado e a ciência diga ser “crendice”.
           Precisamos enfrentar o racismo e a intolerância (sustentados pela ignorância) para fazer valer nossa dedicação e amor ao que nos rege e sustenta. Eu também estava no meu cotidiano aleatório procurando vídeos legais de blogueiras que curto, e apareceu o vídeo dessa menina. Essa menina talvez tenha falado aos seus, mas me tocou também e eu fiquei aqui pensando e sentindo se também não tenha um pouco desse Dharma em meu caminho, o de falar pras pessoas de coisas que preencham, não que nos mantenha no esvaziamento. Só sei que fiquei pensando em quantas pessoas podem ser tocadas e despertadas se perceberem que Deus também habita os terreiros e os barracões da vida. Aonde há corações puros e cheios de amor, acredito, há Deus. Não posso afirmar com convicção o que Ele é, mas sei o que não é. Deus não é um jeito de adorar ou de agir específicos. Só você na sua experiência íntima pode saber como ou o que é Deus. Ele está aí dentro seja você quem for e que crença tenha , por que dEle veio todas as coisas. É a vida dele que corre nas veias do ser humano, dos animais, no caule das plantas, no fogo que queima, no ar que movimenta, na água que lava e na terra que nos alimenta.
            Então, hoje uma menina evangélica cheia de Deus me fez sentir ainda mais plena nas escolhas religiosas e espirituais que fiz e continuo fazendo. Não por que na religião dela não tem o Deus que acredito, mas por que, repito: a Verdade é algo para além das religiões e muita das vezes se manifesta APESAR delas. Nossos valores não são vergonha, não são menores, não são “moda”, não são fora da nossa realidade política/social/cultural. Levamos todos os dias nossas convicções aonde formos, tenhamos cuidado com isso. A atenção é necessária para que um instrumento de liberação não vire de controle e adequação. Mas, se estivermos imbuídos cada vez mais daquilo que nos alimenta e alegra o coração vai ser a fonte desse alimento que você vai levar as pessoas e lugares. Nossos valores não são aquela moral sustentada pela hipocrisia.
        Olhe para dentro de si, questione seu coração e o que verdadeiramente o contempla e o completa, encontre seus valores, busque aqueles que dialogam com eles, se fortaleça neles. Transborde por aí tua alegria de viver sua Verdade. Não há tempo de sermos intolerantes e racistas, o que nos completa é feito de amor. Só amor. Todas as outras coisas nos comerão os olhos e o coração, pois distorcerão a realidade nos afastarão um dos outros.