terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Sem jogo, sem farsa.


        Quando o assunto é sentimento eu não brinco, nunca gostei de jogunhos quando falamos de amor, ou quase.É tudo preto no branco, vamos pitando o resto na cor que pudermos pintar.Mas nem sempre sabemos o que queremos, nem sempre sentimos em preto-e-branco, como então ser sincero sem parecer uma farsa?Sem parecer enrolação ou confusão de mais?Entendo que seja difícil para quem não em conhece, ou para quem está de fora da situação, mas em qualquer relação por mais ínfima que seja eu procuro ser sincera.Quem tá junto e quem ta se aproximando sabe disso.Sabe tanto a ponto de ler no meu "talvez", no meu "não sei" toda a fragilidade que há por trás das palavras e mesmo que não entenda confia em mim, pois sabe que eu não mentiria quanto a isso.Minha sinceridade vem às vezes como tempestades, e as vezes como maresia, a intensidade vem assim como estou.Minha sinceridade cabe inclusive naquilo que não falo, naquilo que ainda não posso retribuir, naquilo que ainda me falta, seja na resposta, na segurança ou no sentimento.Hoje, estou aprendendo a lidar com o medo racional, que exprimido em palavras parece tão irracional, mas estou aprendendo...Estou tentando a cada dia que passa esquecer mais a razões- tão sem razão- e deixar o coração bater mais forte quando ouço tua voz a noite depois do trabalho, ou quando vejo sua mensagem de bom dia.Estou me deixando ser levada por toda essa coisa boba e "idiota" que envolve estar apaixonado, por mais que tenha sido muito difícil assumir isso, e agora tem sido tão inevitável!Estou tentando me permitir falar mais sem pensar, deixar simplesmente as palavras sairem como quiserem, sem tirar nem por, sem limite, sem juízo, impulsiva como minha atitude para nos conhecermos de verdade.Estou tentando ser para você aquela que realmente merece todo esse sentimento que você diz sentir e que vejo no teu sorriso e sinto no teu beijo. Por que eu quero de verdade ser aqueles momentos em que sorrimos das nossas distrações, quero ser o brilho do seus olhos quando olha nos meus, quero ser sempre tua pele arrepiada por tocra na minha.Quero fazer a você o bem que você me faz, quero sonhar seus sonhos e quero que sonhe os meus e quando não der que ao menos no fim de tarde nos orgulhemos um do outro numa conversa informal depois do trabalho.Quero ser seu suspiro de alívio depois de um dia longo, quero que sejas meu refúgio quando eu não tiver pra onde ir.Quero não saber para onde ir e você vir me buscar no meio do furacão, como você fez assim que me conheceu.Quero que tua decisão complete meus momentos de indecisão e vice-versa.Quero ser tua saudade e tua alegria, assim como quero que sejas sempre para mim.Quero ser teu "bom dia" e tua "boa noite".Mas mais do que tudo isso: quero retribuir tudo que você é pra mim, tudo que você faz por mim, quero te amar. Talvez só depois disso, eu me sinta mais inteira como mulher, como pessoa.Mesmo assim, sou inteira no que posso, e sempre me esforçando para ser mais.Não gosto de jogos, e sigo assim.Sem panos me escondendo, sem fingir meus medos, nem minhas inseguranças.Te encaro de cara limpa e se te gosto é no meu jeito torto de ser, e na minha vontade indescritível de estar ao seu lado, sempre.

domingo, 6 de janeiro de 2013

Me leva?

Eu não queria mais dançar junto.Eu nem sei se queria dançar mais.Mas por algum motivo fiquei na pista, a música ainda me tocava e me convidava, e eu continuei dançando sozinha, eu precisava.Fiquei o quanto pude, pensando em tantas danças que já dancei, em tanta spessoas que já passaram, em tanta coisa que aconteceu e acontecera ali naquela pista de dança.E no meu dessa confusão de pensamentos você chegou, ameaçou a me convidar pra dançar mas preferi continuar dançando sozinha embora te desse a chance de se aproximar.Eu precisando de ar, de novas danças, de liberdade sem que ninguém quisésse me conduzir e você me apareceu.Sem nenhuma pretenção me deixei me levar por alguns segundos, não fui com você mas deixei você vir até a mim.Você sabe que eu não sei aonde essa dança junto/sozinha vai dar, você sabe um pouco da minha história ,das danças que já dancei, e mesmo assim ficou e vem ficando.Desde o início mostrei meu lado conufão e ventania, e você assumiu o risco e pediu pra ficar.Eu ainda não sei dançar a dois, estou aprendendo a lidar com isso tudo, onclusive com sua ansiedade por dançar.A pista é a vida, e nela eu preciso continuar vivendo...Ainda resisto um pouco, tenho medo confesso.Vou devagar quase parando, não é que eu não queira dançar, ou seja algum problema coma música ou por ser a dois, ou por ser com você na realidade eu estou tantando assimilar tudo que aconteceu, e agora o que vem acontecendo. De repente você me chegou entusiasmado cheio de vontade e energia, estendeu a mão e disse: "vem comigo?"Hesitei, demorei a dar o primeiro passo e agora quando percebo já estou dançando com você, talvez não com a segurança que você queria, mas muitos mais do que eu podia imagianr que conseguiria te dar agora.Eu repito; ainda não sei dançar a dois.E ainda não consigo fechar os o,lhose de peito aberto pedir " me leva".Mas só de olhar no seus olhos e ver que as coisas estão fluindo em mim e para nós consigo ao menos consigo respirar fundo e pedir por dentro: que me leve, que eu consga me deixar levar.É difícil, meu bem, eu lhe atento.E afirmo nunca foi tão difícil "entergar, aceitar, confiar e agradecer", mas acredite: eu continuo acreditando.