terça-feira, 27 de novembro de 2012

Finge e vai.

 
"Finge que é chuva e deixa molhar.
Finge que vento e deixar ventar.
Finge que o fogo e deixar queimar.
Finge que é lágrima e deixa rolar."

Deixa chover e levar tudo que tiver que ir, deixa limpar, deixa sofrer para depois sorri.Deixa ventar o vento da mudança.Deixa tocar a pele e trazer a bonança.Chega de desviar a esperança, de negar a possibilidade de sonhar.Deixa o fogo ser fogo e simplesmente queimar.Deixa incendiar tudo até o fim das consequências.Depois constrói outra coisa, outros sentimentos, outros relacionamentos, outros alicerces.Depois é depois e ponto.Deixa doer, finge que doeu.Deixa essa lágrima rolar, deixa isso ai que de alguma forma te prende escapar por entre os dedos.Deixa isso tudo crescer, deixa ser maior que você.Para andar para frente precisamos nos libertar de tudo aquilo que nos prende lá trás.Quando não temos forças reais para encarar a vida de frente, a gente finge.Vira artista, vira palhaço e finge que sabe brincar com a dor, finge que sabe poetizar a ferida e romantizar a rotina.Se a gente não tem forças a gente cria, nem que seja na base da mentira, da ilusão e do conto de fadas.Só se vive vivendo, disfarçando... brincando de ser forte até ser forte de verdade.Então esquece.Viva tudo na carne e quando cansar, e que seja em breve, se não houver forças não exite: finge e vai.Por que a vida não espera o dia em que você vai perceber que toda projeção sua sobre si mesmo é apenas você de uma maneira que não consegue se encarar.A vida não espera, ela passa por você querendo ou não.Então relaxa: finge e vai.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Despedida.

E quando acabar?Não sei, acho que só restará o vazio da sua ausência e o frio sem teu calor.Certas coisas não se esquecem e nem foram feitas para se esquecer.E eu?Não me esqueço e nem quero.Foi esse calor que derreteu  o gelo em que as palavras estavam inatas dentro de mim.Eu queria agradecer, mas não sei como.Estou longe da sua maestria, ainda falta muito para eu chegar a algum lugar, se é que há algum lugar a se chegar.Mas enquanto isso agradeço te sorrindo e admirando pela simplicidade, pelo desprendimento e pelo calor.Talvez mestres sejam aqueles que, sem perceber, de alguma maneira nos tocam e nos ajudam a desabrochar sobre algum aspecto.Ser mestre sem a pretensão de sê-lo.E por algum momento você foi o meu.

(06/11/2012)

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

De volta.


Ontem me encontrei com as palavras.Ontem me encontrei com pessoas.Ontem a espera passou.Encontrei as palavras quando encontrei quem as encantassem.Palavra e imagem.Palavra que encanta as imagens.E o que até agora era frio e gelo, esquentou e derreteu.A magia, antes falada, me soava tão desconhecida por eles e de repente sem nenhuma pretenção aconteceu através de outra pessoa.Talvez porque havia algo como olhar nos olhos, talvez pela simplicidade, talvez pelo calor que era o mesmo daqueles que se sentiam tocados.Não importa o motivo o importante foi que aconteceu.E enquanto alguém as encantava lá na frente, me encantava também.Era maestro, artista, poeta.E quando me vi estava aqui de novo a tentar poetizar a poesia de outra pessoa.
(08/11/12)

sábado, 3 de novembro de 2012

Coração de pirata


Ele quis pegar na minha mão, mas sem querer pegou meu coração.Sem ar tentei buscar , mesmo sem forças, um motivo nos seus olhos para eu estar tão feliz.Havia tanta coisa escondida neles, que eu não consgeui acompanhar.Pegou minha mão e me levou.Não fomos dançar, nem para um parque bonito. Você me levou pro seu sonho, para um lugar em branco que pudéssmos colorir juntos.Não era amor.Ao menos não dessa forma como nós vemos por ai.Era uma sintonia indescritível.Dessa vez que pegou pela mão fui eu.Peguei e fui, e fomos.Fomos para o meu sonho.Montamos uma cabana num quintal, inventamos todos os animais, visitamos todas as estrelas.Abrimos os olhos e ainda estávamos ali.Um para o outro.Sorri e fui embora.Meu sonho é para se sonhar junto.Mas não para se sonhar preso, por isso fui.Um dia eu volto, quem sabe.Acumular corações e sonhos, casas e caminhos.Para eu poder voltar sempre.