sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Numa fração de segundo

"Olho para cara da miséria, para cara da tristeza, pro desespero.
Não vejo nada.
Todas iguais a mim.
Todos a cara do brasileiro."

Era isso ou quase.
Me veio do nada.
Me veieram cantadas, ritimadas.

Me vieram?
Me passaram.
Pensei serem minhas, as palavras.
Mas se fossem ficariam.
Ficariam?
Não sei.

É...
Talvez ficassem.
Mas partiram.
Vieram fortes, ritimadas e velozes.
Assim como veiram me foram embora: do nada.
E eu fico por aqui, agora calada e meio vazia.

sábado, 22 de setembro de 2012

Permita-se.

Permitir-se.Eu não sei você, mas em alguns aspectos tenho bastante dificuldade nessa quesito.Sou um tanto velha de mais e bem chata, principalmente quando o assunto é vaidade, que me remete a futilidade que me faz olhar torto para coisas do gênero.Sim, eu sempre quis fazer uma tatuagem.Uma não, três.Mas que disse?Meu instinto reponsável, sério, velhoe chato não em permite, pois afinal tatuagem pór mais significativa que seja é no fundo, por vaidade.Ninguém desenha algo no corpo para ficar feio, sem se importar de não ficar bonito.Pois é já quis muuuuito fazer, mas por ser algo no fim das contas inútil e não enriquecedor, desanimei e desencanei.Mas desde sempre, desde aonde minha memória consegue alcançar, sempre quis fazer um pircing no nariz.Mas por ser de novo algo inútil nunca fiz.Mas nesses dias resolvi que ia fazer, resolvi ter 20 anos e cagar se vai me trazer algo de útil ou não, tava meio cansada de ter que dar sentido a tudo e por um segundo fiz algo quis sem me importar se era pura futilidade.Pensei que não fosse trazer nada, mas trouxe.Só o fato de sair de casa, sem ninguém saber, pegar meu pouco mais valioso dinheiro e fazer algo bobo mas que sempre quis me deu uma autonomia.Me deu a certeza de que posso ser "jovem" -sim eu uso a palavra jovem de maneira bem irônica para me referir a coisas fúteis, irresposáveis ou despreocupadas( de uma forma mais pejorativa mesmo)- repetindo: Me deu a certeza de que sim eu posso ser jovem, ter 20 anos, fazer algo idiota e me sentir bem por isso, é meu corpo, meu dinheiro e não vai passar disso.Às vezes é preciso se libertar um pouco da razão para se sentir mais autêntica e feliz. Permitir-se. Esse pirncig é meu luxo, é a parte do meu corpo em que olho esse penso "ah...que que tem eu posso ser jovem", e aí digo jovem sem problema algum, digo jovem como sou, como quem precisa de ser lembrar disso às vezes.
Meu luxo é esse, tente você também se permitir um pouco mais.Hoje, eu sei que alguns impulsos merecem ser vividos e respeitados, sem problema algum, sem nenhum julgamento.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Escrever?Pra quê?

Chato é você estar bem, vivendo coisas boas e isso não ser o suficiente para você querer gritar por ai, nem escrever num papel escondido, que seja.Espero que passe e logo.Não aguento mais essa coisa de sentir num nível tão introspectivo que nem parece que sou eu, nem parece que realmente me faz bem.Por mais que me venham mil coisas em mente nada me parece suficientemente bom para ser exposto, ser transcrito aonde quer que seja "seil, lá . Agora não que eu to com preguiça de escrever...".Que essa "preguiça" não mate a minha sede de palvras, de arte.Que essa "preguiça" não me mate, o que dá no mesmo.