sexta-feira, 7 de outubro de 2011

"Faz de conta" que fiz de mim.


Detetive até professora.Humilde e batalhadora até rica e altruísta.Caçadora de zumbis até ter poderes sobrenaturais. Alice. Ariel. Pocahontas. Jasmin. Mulan. Bettlejuice. Chaves.
Me criei de diversas formas diversos jeitos, sempre mudando.Mudando...o que?Criei em mim a idéia de que não gosto de me ver igual, mudo de gírias, de cabelo..Mas mudei mesmo?Mudava tanto que o cabelo era sempre curto, as gírias eram poucas.As idéias eram basicamente as mesmas de hoje só que com menos convicção, menos vivência, menos maturidade.As paixões as mesmas...Aos 8 anos já sabia que escreveria de um modo diferente quando a professora perguntou "você sabe o que significa acarinhar?"-era claro que eu sabia e queria mesmo que os olhos da lua acariciassem o menino.Mas me fiz de uma menina qualquer de 8 anos sem graça e apenas respondi contida "hã hã...-e balançando a cabeça com sinal negativo".Tagarela desde sempre, dorminhoca desde sempre, revoltada com as imposições feitas ao meu sexo desde sempre.Música brasileira à internacional desde sempre, sem nenhum preconceito ou ignorância quanto às preciosidades estrangeiras.As brigas com os irmãos são as mesmas desde de sempre.Tudo que eu fiz de mim, tudo aquilo que em algum momento eu me permiti ser, construiu o que eu sou hoje, não muito diferente do que antes só que ...melhor.Ainda mais eu mesma, com a personalidade ainda mais definida, ainda mais livre para ser o que eu quiser.Só que agora de cabelo longo, com mais sandálias do que tênis, com mais argumentos do que apenas instinto, agora com um amor, com a comprovação de algumas verdades antes apenas teóricas, com menos arrependimento pelo passado, com mais orgulho do presente.E principalmente com a clara idéia de que...será mesmo que gostei de mudar e mudei tanto assim?Quis deixar o cabelo crescer para mudar da rotina de cortar sempre, já estou cansada dele grande quero cortar de novo, porque odeio a sensação de me manter a mesma e pior é essa sensação que sinto agora de simplesmente ter medo de mudar ou simplesmente acomodar.Mas será que eu cortando não seria como voltar àquilo que de certa forma, eu sempre fui?Será que só agora que eu realmente mudei?Não sei se é esse hábito rotineiro de me encher de questões as quais não consigo responder mas que me põe a pensar e produzir diversas teorias sobre mim mesma, ou se é simplesmente o hábito da inconstância.Para agora preciso de um pouco mais de coragem para ousar, para eu não parar no tempo e me manter numa zona de conforto.Mas até que eu me orgulho de tudo isso, do que fiz de mim, do que achei que fiz de mim.E é tão bonito olhar para fotos quando criança e perceber que eu sempre fui eu mesma, não importa o papel no faz de conta ou na vida real, tudo que eu faço e falo tem uma marca minha.E é tão bom se ver naquilo que construiu você, quer dizer, se ver de algum jeito na tua obra que ajudou a você ser quem você é, e será assim sempre.Talvez complexo e um pouco estranho, mas real até nos faz de conta que já fiz.