domingo, 25 de abril de 2010

Entrelace( parte2)

Parte1

Passou-se uma semana e ela ainda não tinha esquecido dele, nem ele dela.
Os filhotes ainda viviam com ela, ainda não tinham coragem voar e seguir em frente.
Alissa pensava se tivesse sido real.E agoniada insistia em dizer que esperar o 'acaso' era burrice.
Isso ela dialogava sozinha, com seus botões, enquanto do outro lado da história Miguel agradecia por tudo que acontecera até aquele dia.Ele rezava, como de costume , pela graça de mais um dia e esperava que agora depois de longos sete dias algo pudesse acontecer, mas deixando sempre nas mãos de Deus.
Alissa entrava no banho quando Josué, seu irmãozinho, desmaiava de novo no chão da cozinha.Era a terceira vez em sete dias.Sua mãe desesperada desmarcou tudo para levá-lo ao médico.E com aquele clima carregado Alissa tinha de seguir o dia como outro qualquer, mesmo estando desolada com tudo que aconteceu.
Com o coração apertado seguiu com sua rotina.E ao chegar à casa, de volta da escola sentiu um silêncio estranho e foi logo a procura da mãe e do irmão.Quando a encontrou ela estava em estado de choque e se pai esatva pondo o menor para dormir.Havia um papel em suas mãos era um exame e ela precisava saber o resultado.Ao lê-lo e ouvir tudo que tinha para ser ouvido foi comprovado o pequeno tinha um problema cerebral, alguma síndrome ainda não identificada causada por falta de oxigenação do cérebro.A partir dali tudo mudou e era certo que mudaria ainda mais.
Descrente da vida e de um poder maior, se trancou no quarto onde estava seu irmão, com medo de que a qualquer momento ele pudesse partir.Rezar?Não...Ela não tinha forças nem fé suficiente.O que ela acreditava estar em suas mãos era apenas ficar ali com ele sendo tudo que sabia que devia ser para ele um dia, tentando ser o exemplo tentando ser tudo em um só momento.
Pegou no sono e acordou com ele brincando com seu cabelo.Não aguentou vê-lo ali como um criança alegre e comum e as lágrimas rolaram como se jamais fossem parar.Foi para seu quarto desabafou com os passarinhos e resolveu soltá-los com medo de que eles não pudessem viver a vida plenamente, assim como o medo que tinha por seu irmão.Os pequenos voaram pra perto meio desajeitados e acabaram voltando para Alissa.
Parecia que não podiam deixá-la sozinha em meio a tantas incertezas e medo.Aquele sentimento sem nome ia crescendo dentro dela e resolveu tomar um banho e sair.Não conseguia encarar a situação de frente e por um segundo se achou incapaz.Incapaz de ser o melhor para Josué e de ser firme para ele.Não aguentando mais esses pensamentos se arrumou as pressas e saiu.
Tico e teco, os filhotes, tinham voado para longe.Foram buscar Miguel, perguntaram aos outros pássaros quem sabe até as flores e ao vento e conseguiram encontrar a casa dele.Bateram com o bico na janela até conseguirem acorda-lo.Ele acordou olhou...olhou e não entendeu nada, mas mesmo assim sorriu com ar de alegria.E vendo a euforia e agitação dos pássaros ele entendeu como se uma mensagem tivesse tentando ser passada e pediu: 'Pai me ajude a entender o que se passa, faça com que eles consigam falar mais a minha língua e eu consiga compreender a deles.'De tanto insistirem e não dar em nada um deles voou de volta para casa.E em alguns minutos voltou com aquela pulseira de couro fininha com o símbolo da Paz, como ele podia se esquecer?E realmente ele a identificou na hora e lembrou quem eram os dois e foi atrás dele para encontra-la.Afinal algo deveria ser sério para terem ido buscá-lo.
Ao chegarem à casa não a encontraram mais, ela já havia partido, devia estar por aí remoendo as dificuldades da vida e sofrendo de mais por não acreditar em mais nada.E ainda assim ele quis encontrá-la e ele foi tentandor passar por onde ela poderia ter passado querendo chegar à algum outro lugar.
Em plena busca ele teve um inspiração, um feeling e o seguiu como quem segue descobrindo os caminhos do próprio coração.
A encontrou.A viu de costas e ao se aproximar via aquelas sapatilhas mexendo sem direção, só seu corpo quieto e calado falava de mais sobre o momento.E ele queria ajudá-la, e ele conseguiria ajudá-la?Eles não sabem ainda.E mesmo sem resposta ele se sentou ao lado dela e a segurou pela mão.Ela não podia acreditar que aquele entrelace viria acontecer de novo, não podia e não conseguia.E ao se virar para ele, ele, ao olhar para para as mãos juntas, diz sem sem ao menos mexer os lábios: Não se preocupe.Estou contigo agora.

terça-feira, 13 de abril de 2010

Entrelace (Parte1)

Ela estava ali sentada no meio fio, cheia de vazio em sua mente.Por um instante deixou as preocupações de lado e resolveu não sentir nada.E logo voltou ao sua vida real, e essa não permitiu um segundo para um suspiro.Subiu na bicicleta e voltou para casa, mas no meio do caminho encontrou um ninho de passarinhos no chão e só percebeu quando estava em cima da hora.Não teve escolha, foi desviar tão rápido que caiu no chão.Por ela tudo bem, afinal ganhar uns ralados e arranhões para salvar dois filhotes lhe parecia um ato até heróico.Não deu muito tempo para sentir-se uma heroína e um menino, que estava a observando de longe, chegou perto e estendeu-lhe a mão com um sorriso sem graça e um riso contido.Ela vermelha aceitou, carregou um ninho em uma mão e na outra criava um laço eterno, ao entrelaçar os dedos , sem ao menos imaginar.
_Só fiz isso para ver se o chão está bem...Se não está amassado ou afundou.-disse ele em tom de graça.
_Ah é...Pois acredito que não.Mas deve ter ficado bem chateado pelas marcas que deixou em mim como se estivesse revidando.-ela disse, entrando na brincadeira.
Se entreolharam, sorriram.E na mente dela só passava "será que eu caí muito feio mesmo?" , mas ele parecia não se importar muito já que o 'desastre' gerou um momento de descontração naquele dia.
_Mas então desastrada heroína de pássaros, tem um super-nome que eu possa saber?
_Meu nome é Alissa, mas o super nome você ainda não pode saber.E qual o seu?
_O meu não tem nada de super, sou apenas Miguel.Quer ajuda com o ninho?Eu tenho uma bicicleta, podia te ajudar com eles aonde você quiser.
Ela receosa, afinal mal o conhecia, aceitou a ajuda e foram atrás de algo que fizesse de abrigo para os filhotes, comprar comida e aproveitar para passearem e se conhecerem melhor.
Ao longo das conversas eles iam se identificando, a ideia que um começava o outro completava.
Até nas pequenas diferenças eles se identificavam.Conversaram bastante, mas já estava ficando tarde o sol começando a se por e sua mãe ligando.Ela teve de ir.
_Pois é Miguel...Está na minha hora.Muito obrigada pela ajuda, pelo passeio.-as mãos começando a suar e o coração batendo de uma forma estranha.-Tenho que ir quem sabe não nos encontramos de novo por aí?
Olha fixo nos seus olhos ele disse:
_De verdade eu gostei de você, do seu jeito.Não queria deixar na mão do acaso nosso reencontro.Mas sinto que é melhor assim.E o que eu fiz por você, foi só o que achei que era certo, foi o que dentro de mim me induziu a fazer.Foi de coração.Mas tudo bem...Até mais então.
_Até.
Sem jeito se cumprimentaram,se entreolharam novamente e sorriram.E ao subir na bicicleta foi passando uma restrospectiva do que tinha acontecido naquela tarde.Desde a mão estendida até a última risada.No peito ficou uma mistura de mistério e sorte, com gosto de quero mais.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Além do sangue, independente dele.


Poderia chegar e contar mil histórias, mas não conseguiria contar nenhuma desvinculadas a eles.Não consigo pensar na irmã da amiga, ou nos vizinhos irmãos sem no fundo não associar a eles.Poderia não significar nada, mas eu sei que no fundo sempre significa alguma coisa.
E sem deixar subentendido digo em alto e bom som: aaaaaaaai meus irmãooooos.*_*
Sabe aquela frase 'mato e morro por eles' então, se aplica à situações como essas.Apesar de ser avessa a matar, mataria uma pessoa no mundo todo por sentimentos como esse.Mataria a mim mesma, daria minha vida por eles.



Sabe o que é ter alguém para jogar bola e te ensinar dar os melhores chutes e os mais belos dribles?Pois é...é você pedir e chegar a implorar para descrerem pro Play 'só um pouquinho' para ajudarem você a treinar aquele chute bem forte para impressionar o papai quando ele chegar depois do dia loooongo de trabalho.
Eu sempre tive a impressão que o pai a gente desde de pequeno dá o maior valor, afinal é ele que costuma ensinar a andar de bicicleta, é ele que deixa facilmente comer bobagens...Ai depois reconhecemos o valor da mãe, afinal é ela que vai sempre tentar proteger que vai ter aquele jeitinho de cuidar da gente mesmo quando não contamos nada.E por últimooo depois de muitas brigas nós reconhecemos nossos irmãos.Sei que para muitos esse reconhecimentos podem acontecer em ordem inversa ou simplesmente não acontece.Mas para mim foi mais ou menos como esses passos.
É assim que olho para os irmãos, os meus, os seus.Olho como pessoas que vão sempre brigar e pentelhar, afinal é o convívio tão íntimo e cotidiano.E rotina chata dentro da própria casa convenhamos que não dá.Olho como essas pessoas que mesmo sendo chatinhas muitas vezes, compartilharão tantos momentos, risadas, descobrirão coisas novas, servirão de exemplo, mesmo que seja um a não ser seguido.rs


Sempre convivi com meus meninos, meus irmãos.E acabava ficando meio sozinha às vezes, mas na realidade nunca estive.A falta de uma menininha foi suprida com a vindas das amigas.Meu eu sempre tive muita sorte com isso.As que eu cultivei com todo meu coração estão sempre comigo.Essas Deus me deu como amigas e a vida nos tornou irmãs.Elas acrescentaram mais cor aos meus dias.Trouxeram um pouco de pop e rosa, eu diria.Me ajudaram a largar um pouco o tênis e a investir em uma maquiagem.Me ensinaram que mesmo não tendo o mesmo sangue consigo ter a mesma confiança e lealdade que tenho com minha família.

Hoje eu afirmo para qualquer um, é verdade sim quando no filtro solar diz “cuide bem dos seus irmãos são eles que provavelmente vão te apoiar mesmo no futuro”. Esteja aberto a isso se não você perderá de mais por ficar sozinho, acredite eu sei do que estou falando.

Sou a cara da mãe, o apetite do pai, o jeito do mais velho,a paciência do meio e as loucuras das irmãs. E no fim de tudo sou alguém que aprendeu muito sobre irmãos.

Principalmente que eles te conhecem melhor do que você pensa, e é quando você mais precisa e mais tenta se esconder que eles te acham e mesmo sem você falar nada, eles te fazem mais forte só de se importarem.Serão sempre eles que mostrarão que o sangue é só uma comprovação biológica de que estarão sempre juntos, interligados.

Agradeço por tudo sempre.Pela melhor família, com a verdadeira irmandade que vai além do sangue, independente dele.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Até quando?


'A polícia só existe pra manter você na lei
Lei do silêncio, lei do mais fraco:
Ou aceita ser um saco de pancada ou vai pro saco.

A programação existe pra manter você na frente.
Na frente da TV, que é pra te entreter,
que pra você não ver que programado é você.

Acordo num tenho trabalho, procuro trabalho, quero trabalhar.
O cara me pede diploma, num tenho diploma, num pude estudar.
E querem que eu seja educado, que eu ande arrumado que eu saiba falar.
Aquilo que o mundo me pede não é o que o mundo me dá.'

(Gabriel o Pensador,Itaal Shur,Tiago Mocotó.)

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Se?Foi.


"Se tudo que eu ouvisse fosse verdade, as feridas não seriam tão intensas.
Se o sentimento existisse, o respeito e a tolerância venceriam.
Se os erros não fossem cometidos, muitas lições não seriam aprendidas.
E de verdade eu não teria tanta certeza do que sou,
se não tivesse tido alguma vez dúvida do que eu fui."