segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Os outros o feriram muito mais.

Seu amor era pequeno de mais para quem não queria enexrgar.
Seu coração era puro de mais para que aqueles olhos impiedosos,
ignorantes e desrespeitosos,pudessem perceber.
Ele tinha o melhor a dar, mas sua alma de criança
não o deixava perceber que aquele mundo não fora criado para suas diferenças.
Muito menos pra sua pureza tão humana e rara.
Os cortes superficiais que criou, foram na camada mais externa da pele,
quando queria apenas abraçar,ou extravazar a dor interna.Isso por que sua incompreensão diante da sua condição, não o permitia entender como poderia ferir alguém.Ainda que chateado, não quisésse fazê-lo em condição alguma.
Enquanto isso pessoas o feriram na parte mais interna, o feriram na alma.Não pensaram duas vezes antes de julgar e magoar, em consciência foram cruéis.Enquanto apontavam para o que diziam ser o monstro, não quiseram perceber que os papéis estavam invertidos.
Apesar das boas intenções poucos foram os corações que o entenderam,
poucos foram aqueles que usaram sua energia tão preciosa pra perceber o quão delicada e encantadora era a ligação que estava surgindo.
A luz caleidoscópica e excêntrica que ali nascera era intensa de mais para algumas vistas sensíveis à diferenças, logo às incomodavam.
Mas de certo havia sentimento, e muito.
De certo havia um grito contido,um beijo guardado e uma benevolência desigual.
Ao certo, eles iriam superar tudo isso.
Um amor,um estranho, uma amante e um poço de impurezas.
Mãos de tesoura, coração de anjo.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Saber amar.


'Hé quem não veja a onda onde ela está,e nada contra o rio.
Todas as formas de se controlar alguém,so trazem um amor vazio.
Saber amar é saber deixar alguém te amar.
Saber amar é saber deixar alguém te amar.
O amor te escapa entre os dedos e o tempo escorre pelas mãos.
O sol já vai se pôr no mar...
Saber deixar alguém amar.'

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Léo e Bia.

No centro de um planalto vazio
como se fosse em qualquer lugar.
Como se a vida fosse um perigo.
Como se houvesse faca no ar.
Como se fosse urgente e preciso.
Como preciso desabafar.
Qualquer maneira de amar varia.
E Léo e Bia souberam amar.
Como se fosse tão longe
Brasília de Belém do Pará.
Como castelos nascem dos sonhos
pra no real achar sue lugar.
Comos e faz com todo cuidado
a pipa que precisa voar.
Cuidar de amor exige mestria.
E Léo e Bia souberam amar.'